[Brasilia]: Jornada Contra o Uso de Agrotóxicos, em defesa do Código Florestal e pela Reforma Agrária

Jornada Contra o Uso de Agrotóxicos, em defesa do Código Florestal e pela Reforma Agrária – Brasília/DF

“Se ser político é reclamar das injustiças. Então, eu sou político” – Patativa do Assaré

06 de abril

Mesas e rodas de diálogo

FUP – UNB – Planaltina

Mesa redonda: “Agrotóxicos – da pesquisa à industrialização e comercialização, saúde e justiça ambiental”

Palestrantes: César Koppe Grisolia (Prof. UNB – autor do livro “agrotóxicos, mutações, câncer e reprodução”) e Fernando Carneiro (Prof. UNB e integrante da Coordenação do Fórum Nacional de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos).

Moderadores: Flavio M. Pereira da Costa – professor e coordenador do núcleo de Agroecologia (FUP) e Ricardo T. Neder – Observatório do movimento pela tecnologia social na América Latina.

Horário e Local: 08 horas – Auditório do Campus UnB Planaltina.

IFB – Planaltina

Mesa redonda: “Alimentação Escolar e Agrotóxicos: Os Princípios da Alimentação Saudável e da segurança alimentar”

Palestrantes: Maria Luiza (Coordenadora de Agricultura Familiar – PNAE/FNDE) e Letícia Silva (ANVISA).

Moderadora: Paula Petracco (IfamBiental)

Horário e local: 13:30 às 15:30 horas – Auditório do IFB

UNB – Darcy Ribeiro

Roda de diálogos sobre Agrotóxicos

Palestrantes: Fernando Carneiro (Prof. UNB e integrante da Coordenação do Fórum Nacional de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos) e Ana Maria Junqueira (Profa. UNB – Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária)

Moderador: Fábio dos Santos Miranda (Associação Brasileira de Estudantes de Engenharia Florestal).

Horário e local: 12:40 às 14:00 horas – Anfiteatro 09

07 de abril

Ato Público

Marcha dos trabalhadores em defesa do Código Florestal, contra o Uso de Agrotóxicos e pela Reforma Agrária.

Concentração: 07 horas no ExpoBrasilia (Parque da Cidade) e 09 horas (em frente ao Congresso Nacional).

Audiência Pública

“Agrotóxicos e saúde dos trabalhadores”

Debatedores: Via Campesina, Fórum Brasileiro de Combate aos Efeitos dos Agrotóxicos e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Local e horário: às 09 horas, na Câmara Federal

Aula ampliada

“Saúde, ambiente e trabalho: o risco dos agrotóxicos”
Debatedor: Fernando Carneiro
Local e horário: 14 às 17horas – Auditório 3 da Faculdade de Saúde Coletiva da UNB.

Sua participação é indispensável, agende-se!

Mercado dos agrotóxicos, legislação e irregularidades

Mais um informe da Campanha Contra os Agrotóxicos.

O Brasil é o principal destino de agrotóxicos proibidos no exterior, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Pelo menos dez variedades vendidas livremente aos agricultores, no Brasil, não circulam na União Europeia e Estados Unidos. Para fabricantes e fornecedores, os riscos de prejuízo são mínimos. Desde 2002, apenas quatro produtos foram barrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Um exemplo é o endossulfam, uma substância considerada altamente tóxica e associada a problemas reprodutivos. Por isso é vetado em 45 países. No entanto, a comissão formada pela Anvisa, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e Ministério da Agricultura decidiu que o produto será banido somente em 2013. Em 2009, o Brasil importou mais de duas mil toneladas do endossulfam, de acordo com a Secretaria de Comércio Exterior. Para a gerente de normatização da Avisa, Letícia Silva, isso é resultado da pressão das empresas.

“A pressão sempre é no sentido de avaliar mais rápido determinado produto, para que ele possa chegar ao mercado mais depressa e passar à frente de outras empresas. No caso de reavaliação, existe pressão para o produto não ser reavaliado. Isto significa poder tirá-lo do mercado. Isso ocorreu tanto no âmbito político, com tentativas de sustar a reavaliação toxicológica iniciada pela Anvisa, como também no âmbito judicial. As empresas ingressaram com três ações diferentes para impedir a reavaliação daqueles 14 produtos agrotóxicos que Anvisa colocou em avaliação em 2008.”

A pressão das empresas passa por diversas instituições. Em 2010, as empresas Shell e Basf conseguiram reverter uma condenação bilionária, que indenizava ex-funcionários de uma fábrica de agrotóxicos de Paulínia, que ficaram doentes por conta do contato com os produtos químicos. A presidente do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável do Rio Grande do Sul, Regina Miranda, avalia que a legislação está sofrendo modificações a partir dos interesses das empresas.

“A regulamentação não é clara. E ela vem mudando progressivamente, numa postura de criar essa confusão dos legisladores para judiciar o uso irregular. Numa hora, o agrotóxico é proibido, mas liberam o genérico dele, que recebe outro nome científico e é liberado, mas o nome comercial é proibido. Existe uma confusão em tudo isso. Pouca capacidade do Estado de acompanhar, regular e capacitar agricultores para o uso. Então, ele contamina o trabalhador da indústria que fabrica, contamina o agricultor que o utiliza, no solo, e as pessoas que bebem água contaminada e comem os alimentos com agrotóxicos.”

Um total de 2.195 marcas de agrotóxicos estão registradas no Brasil. Segundo o sindicato do setor, 400 toneladas de produtos sem registro já foram apreendidas desde 2001. O comércio ilegal movimenta R$ 500 milhões por ano.

Continuar lendo

[Brasília]: II Seminário de Agroecologia do DF

Agroecologia, conservando a biodiversidade para o desenvolvimento sustentável

PROGRAMAÇÃO
Dia 9 de novembro
8 h – Inscrições
Apresentação cultural
Coral Vozes do Cerrado (alunos do Instituto Federal de Brasília)
8 h 30 – Abertura solene
9 h 30 – Mesa Redonda: Sistemas de produção sustentáveis com enfoque agroecológico
Joe Carlo Viana Valle – Fazenda Malunga
João Paulo Guimarães Soares – Embrapa Cerrados
Sérgio Sauer – Faculdade da UnB de Planaltina
11h00 – 12h30 -Debate
Moderador: Roberto Guimarães Carneiro – Emater-DF
12h30 -13h30
Almoço
Abertura da FEIRA AGROECOLÓGICA e apresentação cultural do Grupo de Catira Mão Divina (alunos do Instituo Federal de Brasília)
13h30 – 15 h – Oficinas
OFICINAS
1. Produção de sementes agroecológicas
Patrícia Bustamante (Embrapa Recusos Genéticos e Biotecnologia)
Eitel Maica (Bionatur)
2. Manejo Ecológico de Pragas
Edson Sujii e Carmen Pires (Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia)
3. O uso de agrotóxicos e seu risco para o meio ambiente
José Voltaire Peixoto (Emater-DF)
Henrique Chaves (UnB)
4. Experiências em educação agroecológica
Roberto Benfica (EMATER-DF),
Vânia Pimentel (IFB),
Vanusa Freitas (Escola da Natureza)
5. Funcionamento de agroecossistemas
Flávio Murilo Pereira da Costa (FUP)
6. Homeopatia veterinária
Andréa Alves Amaral (Embrapa semi-árido)
7. Princípios do manejo da adubação na agricultura orgânica e a forma de obtenção dos principais fertilizantes orgânicos
Ronessa Bartolomeu de Souza (Embrapa Hortaliças)
Roberta Sara de S. Matos (Emater-DF)
8. Redesenho da propriedade e a produção orgânica de hortaliças
Francisco Vilela Resende (Embrapa Hortaliças)
Thiago Tadeu Campos (Fazenda Malunga)
9. Agroecologia e Sistemas Agroflorestais biodiversos
Juã Pereira (IPOEMA)
Márcio Armando (Embrapa Transferência de Tecnologia)
15 h-15h20
Café Cultural
Animadores culturais Instituto de Artes (UnB)
15h20 – 17 h
Continuidade das oficinas
17 h – FEIRA DE TROCA DE SEMENTES

Dia 10 de novembro
8 h 30 – Palestra: Terra Sadia e saúde do homem: conexões entre a saúde do solo e o terreno biológico do homem
Alberto Peribanez Gonzalez (Medicina Integrativa )
9 h – Mesa Redonda: Desafios e estratégias locais para uma comercialização justa
Silvio Porto (CONAB),
Renato Lima Dias (Emater–DF),
Luiz Henrique Gomes de Moura (FNDE)
10h30
Café Cultural (Talentos da Emater – DF)
10h50- 12h30
Debate: Moderador Rogério Dias
12h30 -13h30
Almoço
13h30 – 15 h – Oficinas
OFICINAS
1. Panorama da comercialização de produtos da agricultura familiar no Distrito Federal
Renato Lima Dias (Emater-DF)
2. Economia Solidária: Locais e opções de Comercialização
Luiz Roberto Carraza ( Central do Cerrado)
Orélio Araújo da Silva ( Rede de Comercialização Solidária de Agricutores Familiares e Extrativistas do Cerrado)
3. Mecanismos de Garantia da Conformidade Orgânica (Certificação, Organismos Participativos e Controle Social)
Rogério Dias (MAPA)
4. Experiências locais de comercialização:
Guaracy Telles (Associação de Agricultura Ecológica)
Massae Watanabe (Cooperativa Mercado Orgânico)
5. Alimentação viva
Alberto Peribanez Gonzalez
6. Processamento de colheita e pós-colheita para a produção do alimento sadio
Milza Moreira Lana (Embrapa Hortaliças)
Milena Lima de Oliveira (Emater)
7. Manejo Racional de pastagens
Cícero Teofilo Berton
8. Pagamento de serviços ambientais
Sumar Magalhães Ganen (Emater-DF)
15 h-15h20
Café Cultural com apresentação da Escola da Natureza
16h20 -17h
Continuidade das oficinas

Dia 11 de novembro
8 h
Apresentação dos resultados dos grupos e Plenária Final
10h30 – 10h50
Café cultural
10h50 – 12h30
Plenária Final e solenidade de encerramento
12h30
Almoço

FEIRA AGROECOLÓGICA

Exposição institucional de Entidades ligadas à
Agroecologia no Distrito Federal e exposição de
produtos agroecológicos.

VISITAS TÉCNICAS
Fazenda Malunga
Sitio Vida Verde
Sitio Semente

COORDENAÇÃO GERAL
Emater-DF e Embrapa Hortaliças

REALIZAÇÃO
Faculdade UnB-Planaltina, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Embrapa Cerrados, Instituto Federal de Brasília (Planaltina), Fundação Rural, Ipoema, Associação de Agricultura Ecológica, Mercado Orgânico, CDTORG, SEBRAE-DF, Sindiorgânicos, Escola da Natureza, Fazenda Malunga, Secretaria de Agricultura do DF, Instituto Brasília Ambientaal, Governo do Distrito Federal, Superintendência Federal de Agricultura, Associação Brasileira de Agroecologia, Ministério da Ciência e Tecnologia, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Ministério da Agricultura, Governo Federal.

Informações: agroecologia@emater.df.gov.br
Telefones: 3340-3093 e 3340-3098

Fonte: Emater

Lista da Anvisa dos alimentos com nível de agrotóxico acima do permitido

No DF, tomemos cuidado principalmente com pimentão, pepino, couve e mamão. Porém, é melhor se pudermos comer apenas orgânicos.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou um relatório sobre o uso dos agrotóxicos em alimentos como frutas, verduras, legumes e grãos consumidos pelos brasileiros. Em 2009, a instituição coletou 3.130 amostras de 20 alimentos. Delas, 29% apresentaram irregularidades como ingredientes ativos não autorizados e resíduos de agrotóxicos acima do permitido. Os dados fazem parte do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA).

O programa monitorou as culturas em 26 estados do Brasil, apenas o Alagoas não participou. Foram encontrados resíduos de agrotóxicos acima do permitido em 2,7% das amostras coletadas. Os casos mais problemáticos foram os do pimentão (80% das amostras insatisfatórias), uva (56,4%), pepino (54,8%) e morango (50,8%). Já a cultura que apresentou melhor resultado foi a da batata com irregularidades em apenas 1,2% das amostras analisadas. Veja relatório completo no site da agência.

Em 15 das 20 culturas foram encontrados ingredientes ativos com elevado grau de toxicidade aguda comprovada e que causam problemas neurológicos, reprodutivos, de desregulação hormonal e até câncer. Alguns deles estão em processo de reavaliação toxicológica pela Anvisa e outros já foram banidos. “Encontramos agrotóxicos, que estamos reavaliando, em culturas para os quais não estão autorizados, o que aumenta o risco tanto para a saúde dos trabalhadores rurais como dos consumidores”, declarou Dirceu Barbano, o diretor da Anvisa.

O que fazer
Segundo a instituição, o consumidor deve optar por produtos com origem identificada para reduzir o consumo de agrotóxico em alimentos. Isso porque a identificação aumenta o comprometimento dos produtores em relação à qualidade dos alimentos.

Outra dica é escolher alimentos da época ou cultivados por métodos de produção integrada – conjunto de técnicas de manejo que utilizam menos agrotóxicos. Alimentos orgânicos também são uma opção, pois não empregam produtos químicos.

Os procedimentos de lavagem e retirada de cascas e folhas externas de verduras ajudam na redução dos resíduos de agrotóxicos presentes apenas nas superfícies dos alimentos.

Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/s/23062010/48/manchetes-anvisa-divulga-lista-dos-alimentos.html

No DF, tomemos cuidado principalmente com pimentão, pepino, couve e mamão. Porém, é melhor se pudermos comer apenas orgânicos.

Anvisa divulga lista dos alimentos com nível de agrotóxico acima do permitido

Qua, 23 Jun, 06h31

Por Redação Yahoo! Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou, nesta quarta-feira, um relatório sobre o uso dos agrotóxicos em alimentos como frutas, verduras, legumes e grãos consumidos pelos brasileiros. Em 2009, a instituição coletou 3.130 amostras de 20 alimentos. Delas, 29% apresentaram irregularidades como ingredientes ativos não autorizados e resíduos de agrotóxicos acima do permitido. Os dados fazem parte do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA).

O programa monitorou as culturas em 26 estados do Brasil, apenas o Alagoas não participou. Foram encontrados resíduos de agrotóxicos acima do permitido em 2,7% das amostras coletadas. Os casos mais problemáticos foram os do pimentão (80% das amostras insatisfatórias), uva (56,4%), pepino (54,8%) e morango (50,8%). Já a cultura que apresentou melhor resultado foi a da batata com irregularidades em apenas 1,2% das amostras analisadas. Veja relatório completo no site da agência.(http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/d214350042f576d489399f536d6308db/RELAT%C3%93RIO+DO+PARA+2009.pdf?MOD=AJPERES)

Em 15 das 20 culturas foram encontrados ingredientes ativos com elevado grau de toxicidade aguda comprovada e que causam problemas neurológicos, reprodutivos, de desregulação hormonal e até câncer. Alguns deles estão em processo de reavaliação toxicológica pela Anvisa e outros já foram banidos. “Encontramos agrotóxicos, que estamos reavaliando, em culturas para os quais não estão autorizados, o que aumenta o risco tanto para a saúde dos trabalhadores rurais como dos consumidores”, declarou Dirceu Barbano, o diretor da Anvisa.

O que fazer
Segundo a instituição, o consumidor deve optar por produtos com origem identificada para reduzir o consumo de agrotóxico em alimentos. Isso porque a identificação aumenta o comprometimento dos produtores em relação à qualidade dos alimentos.

Outra dica é escolher alimentos da época ou cultivados por métodos de produção integrada – conjunto de técnicas de manejo que utilizam menos agrotóxicos. Alimentos orgânicos também são uma opção, pois não empregam produtos químicos.

Os procedimentos de lavagem e retirada de cascas e folhas externas de verduras ajudam na redução dos resíduos de agrotóxicos presentes apenas nas superfícies dos alimentos.

Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/s/23062010/48/manchetes-anvisa-divulga-lista-dos-alimentos.html

[Brasília]: Locais de venda de produtos orgânicos

Lista de locais de venda de produtos orgânicos em Brasília/DF disponibilizada pela Emater-DF e Planeta Orgânico.

ENTREGAS EM DOMICÍLIO
Dona Terra Iguarias Orgânicas
Tel: (61) 3367-0800
Fax: (61) 3367-0233
sac@mocaterra.com.br
hortaliças, verduras, queijos, cereais, bebidas,
geléias, camarão, clorofila, marinadas, quinua, cafés, molhos.

Espaço Natural Alimentos Orgânicos
Tel: (61) 3347 7725
Fax: (61) 3273 0025
Legumes,verduras, frutas, frango, cortes de frango, ovos, arroz, feijão, soja, café, pães, bolos, mel, açúcar, sucos.

Fazenda Malunga
Tel: (61) 3275-2003
Verduras, leite, laticínio, frango, ovo, frutas, café

Verdura Viva
Tel/Fax: (61) 3340-6109
Verduras, frutas, legumes, grãos, cereais, frangos caipira/natural, derivados da soja e demais produtos orgânicos.

Alma Zen Prod. Naturais e Orgânicos
Tel/Fax: (61) 3202-4670
almazenorgânicos@gmail.com
Farinhas integrais ,Cereais, mel, geléias, massas e macarrão, cookies, sucos, produtos light, diet e complementos alimentares.

FEIRAS

AGE – Associação
303 Norte (ao lado da Igreja Santo Expedito) – Sábado (manhã)
315 Norte (ao lado da Igreja Messiânica) Brasília – Quarta e Sábado (manhã)
909/709 Sul (no Sindicato Rural do DF) – Quarta e Sábado (manhã)
112 Sul (ao lado da escola Ursinho Feliz) – Quarta e Sábado (manhã)
316 Sul (próximo banca de revista) – Quarta e Sábado (manhã)
Sudoeste EQSW 303/304 (em frente à escola Candanguinho) – Sábado
(manhã)
Empório Rural de Brazlândia – Na margem da DF 240 – Incra 6 (ARCAG) –
Sábado e Domingo (manhã)

Espaço Natural – (9963-0988)
315/316 Norte (em frente à Igreja Messiânica) – Terça, Quinta e Sábado
(manhã)

TAO Orgânica – (8432-5409)
108/109 Norte (próximo à escola Pedacinho do Céu) – Sábado (manhã)

Mercado Orgânico – (9987-2290)
Mercado Orgânico/CEASA – Quinta e Sábado (manhã)
315/316 Sul (no espaço do templo Budista) – Sábado (manhã)

MOA Internacional (9961-3080)
Centro de Agricultura de Produção Natural (DF 180 – KM 19 – Brazlândia) –
Segunda a Sexta e Sábado (manhã)

Grupo de Orgânicos de São Sebastião I (8177-2873)
Banca de orgânicos da Feira do Jardim Botânico (em frente à ESAF) – Sábado
(manhã)
308 Sul – Quarta e Sábado (manhã)

Grupo de Orgânicos de São Sebastião II (9976-2716)
Varejão da CEASA – (Próximo à Loja Sol Embalagens) – Cruzeiro-DF – Sábado
(manhã)
SCLS 409, Bl. B – lj. 15/16 – Brasília (Atrás do restaurante Girassol) – Quarta e
Sábado (manhã)

Grupo Vida e Preservação (GVP) – Assentamento Colônia I (9902-7912)
505 Norte – (Anexo do Ministério do Meio Ambiente) – Terça (manhã)
UnB – Minhocão, Ala norte -Terça (manhã) e Quinta (tarde)
Ministério Meio Ambiente – Esplanada dos Ministérios – Quinta (tarde)
INCRA – Palácio do Desenvolvimento – Setor Bancário Norte – Quinta (tarde)

Grupo Agrofloresta (9957-3027)
Parque Estação Biológica – (final da Asa Norte, em frente à Emater-DF) –
Quinta e Sábado (manhã)

Grupo de orgânicos de Planaltina e Sobradinho (9108-9932)
Ao lado da Administração Regional de Planaltina-DF – Sábado (manhã)
Banca Orgânica na Feira do Padre em Sobradinho – Domingo (manhã)

Feira Orgânica do STJ
Superior Tribunal de Justiça – SAFS, Quadra 06, Lote 01, Trecho III
Quarta (dia todo)

LOJAS
Dona Terra Iguarias Orgânicas
Tel: (61) 3367-0800
Fax: (61) 3367-0233
sac@mocaterra.com.br
hortaliças, verduras, queijos, cereais, bebidas,
geléias, camarão, clorofila, marinadas, quinua, cafés, molhos.

Espaço Natural Alimentos Orgânicos
Tel: (61) 3347 7725
Fax: (61) 3273 0025
Legumes,verduras, frutas, frango, cortes de frango, ovos, arroz, feijão, soja, café, pães, bolos, mel, açúcar, sucos.

Fazenda Malunga
Tel: (61) 3275-2003
Verduras, leite, laticínio, frango, ovo, frutas, café

Verdura Viva
Tel/Fax: (61) 3340-6109
Verduras, frutas, legumes, grãos, cereais, frangos caipira/natural, derivados da soja e demais produtos orgânicos.

Alma Zen Prod. Naturais e Orgânicos
Tel/Fax: (61) 32024670
almazenorgânicos@gmail.com
Farinhas integrais ,Cereais, mel, geleias, massas e macarrão, cookies, sucos, produtos light, diet e complementos alimentares.

SUPERMERCADOS
Supermercado Orgânico – CEASA – Brasília

Carrefour
SCEE / Sul – Lote B – Tel.(61) 3233-8866
Setor de Oficinas Norte A Especial No. 1 – Tel: (61) 3361-1555

Pão de Açúcar
SUIS / Cl. QL 05 – Conj. F, no. 80, subsolo – Centro Comercial Gilberto Salomão
Tel:(61) 3248-3283 / Delivery: 3248-4300