[Brasília]: Aulas de alfabetização de adultos na Asa Sul

Estão abertas as inscrições para as aulas GRATUITAS de alfabetização de adultos na Asa Sul. Esse é um trabalho desenvolvido pela ONG Voluntarios DF em busca da erradicação do analfabetismo no DF.

O local é a Casas Lares Humberto de Campos, na 909 sul, na entrada do Fortium e do Grupo Espirita Fraternidade.

As aulas já começaram e são aos sábados das 8h às 10h.

As fichas de inscrição já estão disponíveis no local.

Então, quem conhecer alguém que não sabe ler ou escrever e que mora ou trabalha perto da Asa Sul, peça para ir ao local citado no horário das aulas para se inscrever.

Anúncios

[Brasília]: Projeto de inclusão digital feito por voluntários

Exemplo de solidariedade em projeto de inclusão digital em uma instituição de Brasília. É a sociedade civil fazendo sua parte.

A creche “Casas Lares Humberto de Campos” abriu suas portas aos sábados para aulas de informática para mães/pais, crianças, e monitoras – inclusive as que residem no local. A familiarização deles com o computador e demais ferramentas digitais propõe-se a agregar seu uso às tarefas diárias de cada um e, principalmente, à transformação de suas vidas por meio da elevação do conhecimento.

Segue o vídeo:

Alfabetização de adultos: Exemplo vindo de Cuba

Pescadores brasileiros são alfabetizados com método cubano

Um total de 79 pescadores da cidade de São Gonçalo, estado do Rio de Janeiro, foi alfabetizado com o projeto “Pescando Letras”, desenvolvido a partir do método cubano para a alfabetização de adultos “Yo, si puedo” – cuja eficácia foi reconhecida por organismos internacionais como a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) –, segundo informou o site Cuba Debate.

O projeto, promovido pela secretaria de Educação e a subsecretaria de Agricultura e Pesca, consiste em oferecer alfabetização, educação, cidadania e qualificação profissional a pescadores durante o período chamado “tempo morto”, em que a pesca fica proibida ou controlado no litoral.

Durante o curso, cuja duração é de seis meses, os pescadores foram alfabetizados por meio de vídeo-aulas, receberam instrução sobre Educação Cidadã e qualificação profissional. As mulheres dos pescadores participaram de aulas de artesanato, onde aprenderam a limpar, preparar e montar escamas de peixes para transformá-las em acessórios femininos, como brincos e colares.

No ato de entrega dos certificados, a prefeita de São Gonçalo, Aparecida Panisset, agradeceu a colaboração cubana no programa: “Saber ler e escrever é sair das cavernas e ver a luz, descortinar as coisas que a vida oferece”.

Yo, si puedo

Criado em 2001 em Cuba, o método de alfabetização “Yo, si puedo” consiste no uso de meios audiovisuais para o ensino. O programa foi utilizado para ensinar a ler e escrever em muitos lugares do mundo, especialmente na América Latina.

Na Venezuela foram alfabetizados um milhão de pessoas em cinco meses e 27 dias nas 34 línguas e etnias que existem na nação sul-americana. A Bolívia, em 2008 – foram 819.417 pessoas alfabetizadas em um universo de 824.101 analfabetos detectados (99,5%) e a Nicarágua, em 2009, também usaram o método. O programa existe também em cidades do México e Argentina.

Fonte: OperaMundi

15 de outubro – Dia do Professor

Para “comemorar” o Dia do Professor, posto aqui o discurso do nobre senador Cristóvam Buarque sobre a urgente necessidade de acabarmos com o analfabetismo no Brasil. Grande defensor da Educação, ele proferiu um discurso ontem na tribuna do Senado, comparando – com maestria – os mineiros chilenos ex-soterrados e os analfabetos brasileiros ainda soterrados na escuridão do mundo iletrado. São nada menos que 14 milhões de “esquecidos”. Ele mencionou ainda o maior mestre educador brasileiro, Paulo Freire.
Vale muito a pena assistir. Seguem os dois vídeos com parte do discurso.

Pode-se ler o discurso completo aqui.

Embora pernambucano, esse é mais um Candango Solidário!

Dia Mundial da Alfabetização

Com uma semana de atraso, mas vale o registro.

No dia 8 de setembro, é comemorado o Dia Internacional da Alfabetização, pela Organização das Nações Unidas (ONU). Mas no Brasil o analfabetismo ainda persiste ser um problema para grande parte de nossa sociedade.

De acordo com uma análise da ONU, o analfabeto brasileiro é, na sua maioria, negro, com baixa renda e com faixa de idade entre 40 e 45 anos.

Uma Pesquisa Nacional feita por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo instituto IBGE, em 2006, apontou que 10,38% da população brasileira se declara analfabeta absoluta.

Este percentual representa aproximadamente 14,3 milhões de brasileiros.

Em zonas rurais, os dados do programa chamado Educação para Todos, da Unesco, revelou que este índice dobra, chegando a média de 25%.

Aulas de alfabetização gratuitas para adultos

A ONG VoluntariosDF tem um programa chamado ALFA que oferece aulas de alfabetização de adultos em núcleos espalhados em várias localidades do DF.
Se você conhecer alguém, maior de 15 anos, que não saiba ler ou escrever, não teve a mínima oportunidade de estudar, entre no sítio VoluntariosDF para encontrar o núcleo mais próximo do aluno e convença-o a conhecer o mundo fascinante das letras.
Mais informações sobre a ONG e o programa ALFA em http://www.voluntarios.org.br.