15 de outubro – Dia do Professor

Para “comemorar” o Dia do Professor, posto aqui o discurso do nobre senador Cristóvam Buarque sobre a urgente necessidade de acabarmos com o analfabetismo no Brasil. Grande defensor da Educação, ele proferiu um discurso ontem na tribuna do Senado, comparando – com maestria – os mineiros chilenos ex-soterrados e os analfabetos brasileiros ainda soterrados na escuridão do mundo iletrado. São nada menos que 14 milhões de “esquecidos”. Ele mencionou ainda o maior mestre educador brasileiro, Paulo Freire.
Vale muito a pena assistir. Seguem os dois vídeos com parte do discurso.

Pode-se ler o discurso completo aqui.

Embora pernambucano, esse é mais um Candango Solidário!

Anúncios

Dia Mundial da Alfabetização

Com uma semana de atraso, mas vale o registro.

No dia 8 de setembro, é comemorado o Dia Internacional da Alfabetização, pela Organização das Nações Unidas (ONU). Mas no Brasil o analfabetismo ainda persiste ser um problema para grande parte de nossa sociedade.

De acordo com uma análise da ONU, o analfabeto brasileiro é, na sua maioria, negro, com baixa renda e com faixa de idade entre 40 e 45 anos.

Uma Pesquisa Nacional feita por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo instituto IBGE, em 2006, apontou que 10,38% da população brasileira se declara analfabeta absoluta.

Este percentual representa aproximadamente 14,3 milhões de brasileiros.

Em zonas rurais, os dados do programa chamado Educação para Todos, da Unesco, revelou que este índice dobra, chegando a média de 25%.

Exemplo de vida

Hoje, lendo a edição on-line do jornal Correio Braziliense, deparei-me com uma história de vida dedicada ao trabalho, à solidariedade e à educação. Uma pessoa simples, senhor de 87 anos, de nome Santil, que não teve oportunidades de estudo – o que muitos têm e ainda reclamam – e, mesmo assim, conseguiu ser exemplo para os mais jovens, pois valoriza a Educação como transformação de vida.

Parabéns a esse Candango Solidário! Humildade e sabedoria caminham juntas.

O único pesar é ainda termos adultos sem saber ler e escrever, mas um dia isso muda.