Próximas atividades “Campanha Contra os Agrotóxicos” – Reunião DF de hoje ADIADA

Campanha Permanente
Contra os Agrotóxicos e Pela Vida
Distrito Federal

ATENÇÃO
Reunião de Hoje (29/11) ADIADA

Em função de dificuldades de agenda e espaço para realização da reunião planejada para hoje, estamos transferindo-a para o início de 2012. Entramos em contato com nova data assim que possível. Até lá, seguem algumas atividades nas quais estamos envolvidos:

1º Dezembro (quinta-feira)

Lançamento do Livro “Agrotóxicos, trabalho e saúde”, Expressão Popular.

Os estudos sobre os agrotóxicos, trabalho e saúde, contidos neste livro, trazem reflexões sobre a cadeia produtiva do agronegócio que transformou o agro (agrícola) em negócio que visa lucro imediato da exploração da natureza e do homem, sem medir consequências ou se responsabilizar pelos impactos na saúde-ambiente.

As pesquisas refletem uma oportuna interpretação de Marx – o trabalho é o movimento das forças físicas e mentais para transformar a natureza com a finalidade de manter a vida ou melhorar sua qualidade, porém, a mais-valia, o lucro e a usura dos capitalistas, os transformaram em mercadorias que induziram os citados acidentes de trabalho, as intoxicações agudas e crônicas por agrotóxicos e fertilizantes químicos, as poluições das águas, do ar, da chuva, dos alimentos e do leite materno.

O livro ainda mostra que as comunidades afetadas e pesquisadores resistem a esta destruição e estão construindo modelo agroecológico sustentável que se contrapõe ao modelo do agronegócio vigente no Ceará, no Mato Grosso, no Brasil e na América Latina. A leitura servirá de estímulos para a implantação da “vigilância do desenvolvimento” e para nossa “Campanha permanente contra os agrotóxicos e pela vida”.

Wanderlei Pignati; professor do Instituto de Saúde Coletivo da Universidade Federal de Mato Grosso

Local: Tenda Paulo Freire, na parte externa do Centro de Convenções de Brasília (Eixo Monumental, Lote 05, Ala Sul)

Horário: 13h20min às 15h

Nome da Atividade: Roda de Conversa “O que plantamos e o que temos no nosso prato?”

Facilitadores:

  • Theresa Siqueira DAGEP/SGP/MS
  • Patrícia Jaime – Comissão Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional – CGAN/SAS/MS
  • Noemi Krefta – Articulação Nacional de Agroecologia – (ANA) e Via Campesina
  • Renato Maluf – CONSEA
  • Vanderléia Daron – ICEPAF – CNEPS/MS
  • Fernando Carneiro-UNB/ABRASCO
  • Nildes de Oliveira Andrade –CIAN/Conselho Nacional de Saúde

03 de Dezembro (Sábado)
(Dia Internacional do Não Uso de Agrotóxicos)
Debate “O Santuário dos Pajés, a agricultura indígena e Campanha contra os Agrotóxicos”

Em 03 de dezembro se comemora o Dia Internacional do Não Uso de Agrotóxicos, com o objetivo de fazer um chamado à reflexão e tomada de consciência por parte dos governantes sobre o grave problema social e ambiental gerado pela fabricação, uso e disposição final dos agrotóxicos.
O dia foi escolhido para lembrar o Desastre de Bhopal, ocorrido em 03 de dezembro de 1984, na região de Bhopal, Índia, quando uma fábrica da empresa Union Carbide deixou vazar 27 toneladas do gás mortal isocianato de metila.
Nenhum dos seis sistemas de segurança projetados para conter um possível vazamento estava em funcionamento, o que permitiu que o gás se dissipasse por toda a cidade. Meio milhão de pessoas foram expostas, das quais até o momento 25 mil já morreram.
A data foi estabelecida pelas 400 organizações de 60 países que compõem a Rede de Ação contra Pesticidas (PAN International – Pesticides Action Network).
Atualmente, em Bhopal, 100 mil pessoas são doentes crônicas pelos efeitos desse desastre. Essas doenças incluem cegueira, transtornos respiratórios e ginecológicos. O lugar nunca foi devidamente descontaminado e segue envenenando os moradores de Bhopal. Outras 30 mil pessoas estão doentes pela contaminação de seus poços e encanamentos com produtos químicos que escapam das instalações abandonadas, cheias de venenos. A Union Carbide e sua proprietária, a Dow Chemical, continuam negando a responsabilidade pela intoxicação e se negam a limpar a fábrica.
Os riscos da fabricação e uso destas substâncias seguem vigentes e continuarão existindo sempre, enquanto elas existirem.
Fonte:
Jaime Weber
RAP-AL

Debate “O Santuário dos Pajés, a agricultura indígena e Campanha contra os Agrotóxicos”

O Santuário dos Pajés é uma área de uso tradicional indígena situada na antiga Fazenda do Bananal, ou Terra Indígena Bananal. O Santuário exerce uma série de funções: abriga índios de diversas etnias, principalmente os Tapuya-Fulni-ô; é um centro religioso e de culto de diversas tradições religiosas; local de cultivo de agrícola com práticas sustentáveis, além de ser um ponto de encontro para a população indígena nacional e internacional.

Nos últimos anos, o projeto especulativo do Setor Noroeste vem atacando esse território sem levar em consideração a legislação que garante os direitos dos povos indígenas às terras de uso tradicional. Até 2009 e 2010, a terra era do Poder Público, que há décadas atrás comprou a antiga fazenda Bananal. Mesmo ciente da existência desse Santuário, o GDF, por meio da Terracap, realizou sob imensos protestos, leilão dessas terras para empreiteiras interessadas em construir o Setor Noroeste.

Cinquenta anos atrás a comunidade do Santuário caçava, plantava e criava animais em uma terra cujo tamanho era superior a 1000 hectares. Esse território foi sendo reduzido por grilagem e pelo governo até chegar agora a 50 hectares. Agora também ameaçados. Para eles, a única posição intransigente tem sido a dos brancos, que nunca estão satisfeitos, e sempre querem mais de sua terra.

Local: Santuário dos Pajés (Entrada pelo Estacionamento do Colégio Leonardo da Vinci – 914 norte)

Horário: 14 às 15h

Nome da Atividade: Debate “O Santuário dos Pajés, a agricultura indígena e Campanha contra os Agrotóxicos”

Facilitadores:

  • Santyiê / Awamirim (Santuário dos Pajés)
  • Március / Vinícius (Campanha Contra os Agrotóxicos)

Maiores informações: contraagrotoxicosdf
Abaixo programação completa das atividades.

Anúncios

[Brasília]: Junte-se ao ato contra o Código Florestal HOJE!

Da Avaaz…

Caros amigos de Brasília e região,

Amanhã, dia 29 de novembro, vamos participar de um protesto em frente ao Palácio do Planalto para clamar à Dilma que vete as mudanças no Código Florestal e salve nossa Amazônia do desmatamento, preservando a beleza do Brasil.

Mais de 1.250.000 de nós já assinamos uma enorme petição que chamou atenção da Presidente, mas agora o futuro da Amazônia está em sua caneta. Somente uma demonstração massiva do poder do povo pode fazer com que a presidente cumpra sua promessa de campanha sobre proteger a Amazônia.

Quanto mais de nós comparecerem ao evento, mais altas serão as nossas vozes. Nos reuniremos em frente ao Congresso Nacional às 08h45 e de lá marcharemos até o Palácio do Planalto às 09h45. Em seguida, vamos entregar nossas vozes e mais de 1.2 milhões de assinaturas ao seu gabinete. Confirme sua presença clicando no link abaixo:

http://www.avaaz.org/po/save_the_amazon_rally_rsvp/?vl

Veja os detalhes sobre o evento de amanhã:

Data: Terça-feira, 29 de novembro de 2011

Horário: Concentração em frente ao gramado do Congresso às 08:45

Local: Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes

Como chegar: Siga a Esplanada dos Ministérios em direção ao Congresso Nacional; a concentração será no gramado às 08h45. Em seguida, caminharemos até o Palácio do Planalto, situado na Praça dos Três Poderes às 9h45.

Contato: Se você tiver problemas em nos encontrar, fale com a Rejane: (61) 8510-3567 ou (61) 8138-3000

Mais informações: http://www.florestafazadiferenca.com.br

Por favor use o link abaixo para confirmar sua presença:

http://www.avaaz.org/po/save_the_amazon_rally_rsvp/?vl

Até amanhã!

Com esperança e determinação,

Stephanie, Diego, Alice, Ricken, Wissam, Caroline, Wen-Hua e toda a equipe da Avaaz

[Brasília]: Quinta Slow – 1º de Dezembro

O Slow Food Cerrado convida a todas(os) os convivas e simpatizantes para a última Quinta Slow de 2011. Na ocasião, vamos conviver e compartilhar este excelente cardápio, preparado pela equipe do Panelinha Restaurante:

Entrada: Salada de rúcula com tomate cereja e vinagrete de cajá

Prato Principal: Surubim ao pesto de jambu com talharim artesanal de buriti ao molho de baru

Sobremesa: Mousse de cupuaçu Quando: 1º de Dezembro (primeira quinta-feira do mês), às 20h00.
Quanto: R$ 29,90 por pessoa (bebidas não incluídas).
Onde: no Panelinha Restaurante, que fica no final da Asa Norte: SHCN CL 316, Bloco E, Loja 20, telefone (61) 3041-5070
Lugares limitados, participação somente com reservas pelo telefone (61) 3041-5070
As reservas são de lugares, em mesas coletivas. O jantar é servido para o grupo todo ao mesmo tempo, para propiciar a convivência.
A Quinta Slow é o encontro mensal dos associados e simpatizantes do Slow Food Cerrado. É aberta a todos que desejem participar de nossas atividades e discussões, mediante reserva antecipada, e acontece toda primeira quinta-feira de cada mês no Panelinha.
Participe e apóie na divulgação.